a regiao
booked.net
cyro de mattos
22.Janeiro.2022

Existe mesmo bicho bobo?


Faço a pergunta pela segunda vez.

Não sei se você conhece a historinha do galinho todo pedrês? Se não conhece, dou-lhe uma, duas e três. Escute agora para ficar sabendo. Era uma vez um galinho todo pedrês. Có-có-ró-có. Cantava e acordava as galinhas no quintal do francês. Có-có-ró-có. Cantava e encantava o passarinho nas costas da rês. Có-có-ró-có. Cantava quando chegava o dono com o milho do mês. Um dia cantou ao redor do freguês. Có-có-có-ró-có. Era uma vez um galinho todo pedrês.

Achou engraçada a historinha do galinho todo pedrês, não foi? Tive uma pena danada dele. Cantou tanto, mas não se deu bem no final com a sua alegre cantoria. Cantou para saudar o dia que chegava radiante. Cantou para chamar as galinhas no terreiro quando achava algum bichinho no monturo de lixo. Cantou para agradar o dono em cada mão de milho que para ele jogava no quintal, em cada dia do mês. E de tanto cantar não se livrou de seu destino de um dia virar ensopado na panela do freguês.

Vou lhe contar outra historinha de gente e bicho, mas não pense que é para você achar graça. Uma vez no circo o artista com a zebra estava fazendo seu número, que arrancava suspiros e muitas palmas da plateia. Ele aparecia equilibrado na zebra, que ficava rodando pelo picadeiro. Saltava para o chão, no pulo rápido voltava para as costas da zebra.

Teve uma vez que apareceu um mosquito para atrapalhar o espetáculo. Zumbiu no ouvido e picou sem dó o rosto do exímio cavaleiro quando se exibia com a sua zebra Ligeireza. O artista foi à forra, deu um tabefe no mosquito, que saiu no voo tonto, sem saber para onde ia, terminando por bater com a cara na lona do circo. Tenho conhecimento que as divergências continuam sobre se existe bicho bobo ou não. Afirma-se que os bichos vivem à sua maneira, esperteza ou bobeira acontece com eles desde os tempos antigos. Os espertos aprendem cedo que lutar contra o perigo faz parte do jogo da vida, é preciso astúcia e cuidado se quiser sobreviver por mais tempo em qualquer lugar deste planeta.

De minha parte, acho que para existir o bicho bobo ou esperto depende da ocasião. Veja o que acontece com os bichos na lagoa quando surge a sorrateira e temível jiboia. Deslizando, deslizando, que bem conhecem o chão, os passos da jiboia chegam mansos pela relva para nadar no lagoão. Tão macios, esticados, dão voltas como o rio. Brilham por onde passam quando o sol não está frio. Na ladeira descendo, na baixada arrastados, os saltos deste tamanho são de sapos assustados. No bambuzal descansando, a vida é pura alegria. Nadam os patos, travessos, batem bons papos as jias.

 

Leia também: Tempos da Coronavírus

Leia também: Crônica da Lagoa Encantada

Leia também: Crônica do Menino e o trem

Leia também: CRônica do circo

Leia também: Um Mestre da Crônica

Leia também: Crônica de Mãe Otaciana

Leia também: Crônica do Rio

Leia também: No Tempo das Marinetes

Leia também: A Poesia Profunda de Telmo Padilha

Leia também: O Pássaro de Hélio Nunes

Leia também: Ferradas

Leia também: Rio Cachoeira

Leia também: Quase Crônica de Amor

# Artigo do escritor Cyro de Mattos. Ficcionista e poeta, também editado no exterior. Premiado no Brasil, Portugal, Itália e México. Membro efetivo da Academia de Letras da Bahia. Doutor Honoris Causa da Uesc.

Gostou? Repasse...



 

#opiniao #artigo #editorial