a regiao
booked.net
cyro de mattos
10.Maio.2021

As garças


Chegaram sem avisar e se instalaram em alguns pontos do rio. Ficam espalhadas sobre as pedras e nos locais onde existem baronesas cobrindo as águas empoçadas. Permanecem aos grupos, no trecho em que o rio dá uma volta grande e começa a se despedir da cidade, rumo ao mar. Lá, depois da Ponte Velha. Dizem que escolheram para a dormida as árvores grandes de uma ilha no meio do rio. Falam que apareceram aqui para o acasalamento. Alguns discordam, achando que vieram em busca de alimento. Com o desequilíbrio que vem ocorrendo constantemente no ecossistema, comenta-se que tiveram de buscar novo pouso onde pudessem se alimentar.

O rio há meses está seco. Com as águas empoçadas, em muitos trechos coberto de baronesas, os peixes vêm à superfície em busca de ar, tornando-se presa fácil das garças. Se elas vieram em busca de alimentos como querem alguns, ou de novo sítio para o acasalamento como defendem outros, as divergências deixam de existir num ponto em que todos esperam que aconteça para sempre. As garças não devem mais sair do rio. Em seus perfis brancos e passos pernaltas, trouxeram novo visual ao rio, onde quer que estejam, nas pedras pretas, ilhotas e baronesas. Solitárias ou em pequenos grupos.

Essa é a primeira vez que elas aparecem por aqui. Com os seus voos serenos já fazem parte da vida da cidade. Em sua pose vertical para a foto ou quando uma delas desliza como nave em seu voo lindo, de noiva do azul. É comum se ouvir falar sobre elas nos bares, esquinas, barbearias, ao longo das margens entre os ribeirinhos. São notícias nos jornais, rádios, nas duas emissoras de televisão.

Com a represa que fizeram próxima à ponte velha, o rio teve a sua paisagem modificada. Deixaram de existir as lavadeiras que estendiam as roupas nas pedras pretas e ofereciam de graça um espetáculo diversicolorido, sob a luz forte do sol de verão. Os tiradores de areia não passam mais com os jumentos carregados de latas de areia, rumo às construções próximas e bairros distantes. Com a represa, a paisagem do rio tornou-se monótona, principalmente no trecho em que o Cachoeira corta a cidade em duas partes. Agora, somente um extenso local d’água no curso sereno do rio, com a represa que construíram para evitar que o velho Cachoeira se espraiasse nas margens, invadindo a cidade, quando da cheias grandes.

Elas sobrevoam pela manhã esse extenso lençol d’água, dando um visual de encanto e paz. Amenizam a paisagem feia do rio, que, chorando água, recebe agora, em muitos pontos, uma matéria viscosa deixada pelos esgotos. Comenta-se que o rio já teve muitos peixes e que, há algumas décadas, a sua água nas correntezas era clara. Você via no leito do rio peixinhos e pedrinhas redondas.

Grandes e pequenas, bico amarelo ou preto, as garças vivem aos bandos. Moram nos rios, lagoas, charcos, praias marítimas, manguezal de pouca salinidade. Alimentam-se quase só de peixes. Branco caminho de trilhas aladas, sou daqueles que acreditam que as garças tenham trazido certa paz a algumas pessoas. Certo bem-estar, por alguns instantes, a algumas pessoas que andam com os passos sofridos nos dias atuais. Ante a onda de violência, corrupção, carestia da vida e fome.

Vertical foto anuncia ave ou asas no tempo vestido de branco, vejo as garças no voo suave, trazendo ondas pela campina amada. Levam-me nos dias sem mancha. Natural que eu me junte à vontade de muitas pessoas desejando que as garças fiquem no rio para sempre. Nunca nos deixe com essa canção branca, nesse sonho da manhã que alveja graça.

 

Leia também: Tempos da Coronavírus

Leia também: Crônica da Lagoa Encantada

Leia também: Crônica do Menino e o trem

Leia também: CRônica do circo

Leia também: Um Mestre da Crônica

Leia também: Crônica de Mãe Otaciana

Leia também: Crônica do Rio

Leia também: No Tempo das Marinetes

Leia também: A Poesia Profunda de Telmo Padilha

Leia também: O Pássaro de Hélio Nunes

Leia também: Ferradas

Leia também: Rio Cachoeira

Leia também: Quase Crônica de Amor

# Artigo do escritor Cyro de Mattos. Ficcionista e poeta, também editado no exterior. Premiado no Brasil, Portugal, Itália e México. Membro efetivo da Academia de Letras da Bahia. Doutor Honoris Causa da Uesc.

Gostou? Repasse...



 

#opiniao #artigo #editorial